Estamos Localizados a 11km do centro de Caxambu, sendo 7km de estrada de terra em boas condições e bem sinalizada. Estrada do Vale Formoso Km 7

Lat -21.9072    Long -44.9107

chegar.png

CONTATO

 (11) 99629-9597
(Atendimento via WhatsApp – Guilherme Picolo)

© 2020 Chalés de Minas

Baependi

Localizada a 16km do Chalés de Minas Baependi, com seu estilo colonial
teve seu início com desbravadores vindos do Rio Verde que chegaram à
localidade no séc. XVII, por volta de 1692 em busca de ouro. Transpondo os
contrafortes da Serra da Mantiqueira, os paulistas Antonio Delgado da
Veiga, seu filho João da Veiga e Manoel Garcia alcançaram um sítio que
chamaram de Maependi, do tupi-guarani: Mbaé-pindi cujo significado é
“clareira na mata”, “picada que da passagem”, “atalho”. Esta foi a primeira
referência do nome da cidade.
A primeira casa foi construída em 1717, na margem esquerda do rio, pelo
português Capitão-Mor Tomé Rodrigues Nogueira do Ó, o provedor dos
quintos do Registro da Mantiqueira. Posteriormente, na margem direita,
surgiu um pequeno povoado, sendo ali construída, no ano de 1754, uma
capela em homenagem à santa espanhola Nossa Senhora do Mont-Serrat,
hoje Igreja Matriz.
Foi no ano de 1752 que o pequeno povoado se tornou freguesia, até que em
1814 se tornou Vila em 1855 foi separada da Comarca do Rio das Mortes,
passando a ser sede da Comarca e, finalmente, no dia 2 de maio de 1856
foi elevada à categoria de cidade.

  • Atividade ecoturística

Baependi, mesmo com uma população por volta dos 20 mil habitantes é
um dos maiores municípios de Minas Gerais e por estar localizado no
meio da Serra da Mantiqueira, favorece a quantidade de opções
ecoturísticas. Tanto no inverno quanto no verão, há atividades já que no
verão é possível desfrutar das mais de 50 cachoeiras do município e seus
rios e no inverno com temperaturas baixas e pouca incidência de chuva, é
possível desbravar o montanhismo e travessias que a região oferece. Os
cenários são paradisíacos.

 

  • Cachoeiras e canionismo:

Além de possuir cachoeiras maravilhosas para banho, os mais
aventureiros podem fazer rapel em diversas cachoeiras. O
canionismo é bem famoso na região pela sua dificuldade de
acesso à algumas cachoeiras e claro, pela recompensa dos
cenários paradisíacos encontrados.

 

  • Montanhismo

Onde tem cachoeira, tem montanha. A região privilegiada de
Baependi em meio a serra da Mantiqueira em seus pontos mais
altos, favorece o montanhismo já que são incontáveis caminhadas
e travessias possíveis no município, isso sem contar com o
montanhismo oferecido pelos municípios vizinhos como Aiuruoca
onde se encontra o Parque Estadual da Serra do Pico do
Papagaio, Alagoa, Itamonte, dando acesso ao Parque Nacional do
Itatiaia onde está o Pico das Agulhas Negras. Na nossa seção de
"Ecoturismo" temos mais informações sobre esses passeios, feitos
por nós do Chalés de Minas.

 

 

  • Cavalgadas

Baependi, assim como algumas cidades vizinhas como Caxambu,
Cruzília, São Lourenço, Conceição do Rio Verde, dentre outras,
são o berço de uma das mais populares raças de cavalos do Brasil,
O Mangalarga Marchador. Por isso, as cavalgadas na região são

super comuns. Estamos em um dos maiores polos criadores de
Mangalarga Marchador somado à uma geografia e natureza
exuberantes, tudo muito propício para cavalgadas memoráveis. O
hotel também organiza cavalgadas de Mangalarga Marchador com
haras vizinhos e parceiros nossos.

  • Turismo religioso - Nhá Chica

Filha e neta de escravos, Francisca de Paula de Jesus nasceu em 1810, no povoado de
Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, um dos atuais cinco distritos de São João
del-Rei, município do estado brasileiro de Minas Gerais, onde também foi batizada no
dia 26 de abril de 1810.
Pouco tempo depois sua família mudou-se para a cidade de Baependi, no sul do
estado, onde ela viveu até 14 de junho de 1895, data de sua morte. Francisca foi
sepultada dia 18 de junho no interior da capela dedicada à Nossa Senhora da
Conceição, mandada construir por ela.
Francisca ficou órfã aos dez anos. Mulher humilde, era fervorosa devota de Nossa
Senhora da Conceição, e, a pedido da mãe, passou a vida inteira a dedicar-se à prática
de caridade. Leiga, foi chamada ainda em vida de "a mãe dos pobres", sendo
respeitada por todos os que a procuravam, desde os mais humildes aos homens do
Império. Durante 30 anos, reuniu doações para construir a capela de Nossa Senhora da Conceição, onde hoje funciona o Santuário da Conceição, na cidade mineira de
Baependi. Francisca de Paula de Jesus era conhecida por Nhá Chica, sendo que "nhá"
é corruptela de "sinhá", por sua vez corruptela de senhora, forma respeitosa de se tratar aos mais velhos.

Nhá Chica, já em vida, passou a ser aclamada pelo povo como a Santa de Baependi,
por sua fé. O Processo Informativo Diocesano começou em 1993, tendo sido encerrado em 1995, quando foi para Roma. A causa ficou parada até 1998, quando assumiram como Postulador o Frei Paolo Lombardo, OFM e como vice-postuladora a irmã Célia Cadorin, Ciic (mesma religiosa que atuou nas causas de Madre Paulina e Frei Galvão).
Desde 1991 que Nhá Chica é reconhecida como Serva de Deus, título que recebeu
oficialmente da Congregação para as Causas dos Santos do Vaticano.
Em 1998 foi feito o reconhecimento de seus restos mortais, na presença de autoridades eclesiásticas. Ainda em 1998, o Tribunal Eclesiástico Pela Causa de Beatificação de
Nhá Chica apresentou à Diocese de Campanha um provável milagre para ser enviado e analisado pelo Vaticano.
A causa de Beatificação de Nhá Chica aguardava desde 2007 o anúncio de sua
beatificação, quando uma graça foi atribuída a Nhá Chica. Ana Lúcia Meirelles Leite,
uma professora moradora de Caxambu, em Minas Gerais, teria sido curada de um
problema congênito no coração, caso considerado muito grave pelos médicos. A cura
teria se dado sem a necessidade de intervenção cirúrgica, tendo então sido atribuída às
orações pela intercessão de Nhá Chica. O fato se deu em 1995. A graça foi aceita pelo Vaticano, que analisa o pedido de beatificação. No entanto, o início da campanha pela canonização teve seu início ainda no ano de 1952. A instalação da Comissão em prol da Beatificação se iniciou em 1989, e foi depois instalada em definitivo em janeiro de 1992.

Aguardou-se, desde então, o reconhecimento por parte da Santa Sé, do milagre da
cura, atribuído à intercessão de Nhá Chica, da professora Ana Lúcia Meirelles Leite, e
em 2011, a Comissão Médica da Congregação para as Causas dos Santos, depois de
analisar o possível milagre da cura de Ana Lúcia, declarou que a cura não teria
explicação científica. Em 2012, o Papa Bento XVI autorizou a Congregação para a
Causa dos Santos a promulgar o decreto do milagre atribuído à intercessão de Nhá
Chica.
A beatificação aconteceu no dia 4 de maio de 2013, em Baependi, em cerimônia
presidida pelo prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, o cardeal Angelo
Amato, representante da Santa Sé, que anunciou a data de 14 de junho como a festa
litúrgica em memória de Nhá Chica. Desta forma, Nhá Chica se tornou a primeira leiga e negra brasileira a ser declarada beata pela Igreja Católica.

MAPA TURÍSTICO

  • Black TripAdvisor Icon
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon